Player

.

Um passo em frente nesta longa escadaria rumo a um sentimento de concretização pessoal. Sou, na minha essência, a mesma... mas visto-me mais de acordo com uma filosofia que é minha, que tomo como minha. Aquela que me autoriza a errar, a arriscar, a ser uma mente aberta, a pagar preços altos pelo que, para mim, faz todo o sentido... momentos de felicidade!

Meu Mundo

"Não sou para todos. Gosto muito do meu mundinho. Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes tem um céu azul, outras tempestades. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos. Mas não cabe muita gente. Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso... São necessárias!" ***Caio F. Abreu

14 de janeiro de 2015

Envoltos num manto de caos

Quem tiver olhos para ver, veja!
Embora a tônica crescente seja a opção pela cegueira...
Mas uma coisinha precisa ficar bem clara...e por ser tão simples parece tão absurda, demasiado complicada...
E fica aí, dando margem a um mundo de distorções.
Embora tantos e tantos mais se proclamem servos de Deus...
Há tão pouca espiritualidade esses tempos...
Sim, porque o espiritual não abre fendas, não cava abismos, não condena ninguém ao fogo do inferno... não suporta a relação entre "privilegiados" e "perdidos"...
O espiritual entende que há os transtornados, os manipulados, os equivocados, os tão moídos por sofrimento, revolta ou incompreensão...que se tornam capazes de atos abomináveis "em nome de Deus"...
O espiritual, simplesmente vê Deus no outro. Seja qual for o seu credo, sua localização geográfica, cultura, etnia, cor de pele, língua, condição social ou opção sexual.
Seja qual for o seu "pecado"...
Porque somos todos miseráveis.
Todos, sem exceção!
O espiritual consegue compreender que o ser humano é falível...porque não vê algo sobrenatural na frente do espelho...
Só gente, só gente digna de de ser vista como gente...
O espiritual não tem medo da verdade do outro. Nem idolatra a sua própria. Porque já aceitou que é a vida, a única verdade que importa.
O espiritual não quer vencer uma "guerra santa".
O espiritual não crê nisso. Porque nenhuma guerra é santa.
Muito menos a que travamos dia a dia contra o próprio ego...
Esse ego... raiz de tudo que louva as vaidades e flagela o espírito.
Essa moral toda, esse zelo hipócrita, essa língua ferina...
Esse dedo apontado para as fuças dos outros...
Esse eterno vício de julgar o meu umbigo mais puro que o de quem quer que seja...
Essa psicopatia de servir a um deus que só presta porque é a tua cara...
É só engano meu amigo.
É o avesso de todo o sagrado.
O espiritual...
Não cai mais nessa.
Religiões se multiplicam, se espalham, se ramificam, se fragmentam, se condensam, se empoderam...
E que sejam respeitadas, pois são um traço forte, de todos nós.
Mas e o espiritual, cadê?
Aquilo que transcende todo credo, costura vida à vida, liga almas...explode de amor...
Sem que nenhum credo se faça necessário...
Onde está isso?
Pois parece que se esgueira meu caro...por vezes tímido...aí, dentro do teu ser.
E chega de esmagar o coitado, deixa transparecer, deixa SER!
E espera...
Pra ver a diferença que há de fazer!
Sem filosofar, sem teologizar, sem especular...
O espiritual pede socorro, todos os dias, aí dentro de você.
Porque somos todos um pouco de Deus.
Envoltos num manto de caos.
Gi Stadnicki