Player

.

Um passo em frente nesta longa escadaria rumo a um sentimento de concretização pessoal. Sou, na minha essência, a mesma... mas visto-me mais de acordo com uma filosofia que é minha, que tomo como minha. Aquela que me autoriza a errar, a arriscar, a ser uma mente aberta, a pagar preços altos pelo que, para mim, faz todo o sentido... momentos de felicidade!

Meu Mundo

"Não sou para todos. Gosto muito do meu mundinho. Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes tem um céu azul, outras tempestades. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos. Mas não cabe muita gente. Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso... São necessárias!" ***Caio F. Abreu

27 de fevereiro de 2016

Aprendi a lidar

Não existe uma borracha para os dias. Desenhamos nossa história com caneta, no máximo, uma bic quatro cores - o que já foi escrito não pode ser apagado. Revivemos com carinho as boas lembranças, mas aquilo que incomoda, geralmente, tende a ser ignorado. Nosso emocional finge não haver nada ali, mas o racional cedo ou tarde aparece pra cobrar uma posição. Pra reivindicar cada coisa em seu devido lugar.




Na ausência do famoso “branquinho” pra vida, somos obrigados a conviver em harmonia com situações, lembranças, características. Passamos os dias tentando nos equilibrar na linha que separa o “feliz” do “podia ter dormido sem essa”. O “na mosca” do “teeeente outra vez”.


Até aí, tudo certo. Fica tudo lindo quando os sentimentos se apresentam nítidos diante dos nossos olhos, cada um exatamente no seu lugar. Difícil mesmo é quando aparecem os que não se encaixam. Aqueles que ainda não conseguimos acomodar dentro da gente.


Todo mundo (sem exceção) algum dia, de alguma forma, precisou aprender a digerir algo que não sabia como. É um exercício complicado, mas essencial para o bem geral da nação. Da razão ao coração.




Fernanda Gaona

Espere...

você quer um amor. Uma paixão daquelas de tirar o fôlego e, ao mesmo tempo, acalmar o coração. Mas ela simplesmente não vem. Não aparece nem quando você está distraído, quem dirá quando está procurando. O amor não te acha, mesmo você segurando uma plaquinha "estou pronto", mesmo você gritando aos sete ventos que a sua hora chegou.


Como seria bom se a gente pudesse escolher o momento. Apontar a pessoa e pronto: pode vir buscar seu amor novinho em folha, embrulhado pra presente. Será que realmente seria melhor? Se você está na turma "da plaquinha”, com certeza deve estar balançando a cabeça pra cima e pra baixo, freneticamente, nesse momento. Agora, se você já passou pro outro grupo, com certeza deve ter a mesma coisa que eu em mente: espere.


Claro que se divertir é legal, longe de mim ser hipócrita com relação a isso. Mas por que "vestir" alguém que passou correndo pela sua vida com uma fantasia sua. Não insista, não vai caber. Quando o "seu número" chega, ele se encaixa sem esforço. Não vem ocupar nenhum espaço vago, vem inaugurar outros que você nem imaginava que existiam.


Não corra o risco de criar um amor pra satisfazer uma carência momentânea. Aquele ditadinho que "na falta da metade da laranja me contento com os limões" só vai azedar, ainda mais, a espera. Que o Cazuza me perdoe, mas amor inventado só funciona em música. Vida real pede coisas palpáveis. E, por mais inconstante que o ser humano possa ser, o amor só tem graça quando vem de graça. Quando acontece por livre e espontânea vontade.

Fernanda Gaona

25 de fevereiro de 2016

Vampiros, eles existem e estão ao nosso lado!

Eu não acredito em gnomos ou duendes, mas vampiros existem. Fique ligado, eles podem estar numa sala de bate-papo virtual, no balcão de um bar, no estacionamento de um shopping. Vampiros e vampiras aproximam-se com uma conversa fiada, pedem seu telefone, ligam no outro dia, convidam para um cinema. Quando você menos espera, está entregando a eles seu rico pescocinho e mais. Este "mais" você vai acabar descobrindo o que é com o tempo.


Vampiros tratam você muito bem, tem muita cultura, presença de espírito e conhecimento da vida. Você fica certo que conheceu uma pessoa especial. Custa a se dar conta de que eles são vampiros, parecem gente. Até que começam a sugar você. Sugam todinho o seu amor, sugam sua confiança, sugam sua tolerância, sugam sua fé, sugam seu tempo, sugam suas ilusões. Vampiros deixam você murchinha, chupam até a última gota. Um belo dia você descobre que nunca recebeu nada em troca, que amou pelos dois, que foi sempre um ombro amigo, que sempre esteve à disposição, e sofreu tão solitariamente que hoje se encontra aí, mais carniça do que carne.


Esta é uma historinha de terror que se repete ano após ano, por séculos. Relações vampirescas: o morcegão surge com uma carinha de fome e cansaço, como se não tivesse dormido a noite toda, e você se oferece para uma conversa, um abraço, uma força. Aí ele se revitaliza e bate as asinhas. Acontece em São Paulo, Manaus, Recife, Florianópolis, em todo lugar, não só na Transilvânia. E ocorre também entre amigos, entre colegas de trabalho, entre familiares, não só nas relações de amor.


Doe sangue para hospitais. Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho. Mas não doe para aqueles que sempre, sempre, sempre vão lhe pedir mais e lhe retribuir jamais.






Martha Medeiros