Player

.

Um passo em frente nesta longa escadaria rumo a um sentimento de concretização pessoal. Sou, na minha essência, a mesma... mas visto-me mais de acordo com uma filosofia que é minha, que tomo como minha. Aquela que me autoriza a errar, a arriscar, a ser uma mente aberta, a pagar preços altos pelo que, para mim, faz todo o sentido... momentos de felicidade!

Meu Mundo

"Não sou para todos. Gosto muito do meu mundinho. Ele é cheio de surpresas, palavras soltas e cores misturadas. Às vezes tem um céu azul, outras tempestades. Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos. Mas não cabe muita gente. Todas as pessoas que estão dentro dele não estão por acaso... São necessárias!" ***Caio F. Abreu

23 de julho de 2018

Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez, aquieta; a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói. Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentindo (…) Não queremos escutar essa lição de vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador.

Lya Luft


E, antes de amar, eu já era amor.
Porque o amor mais lindo é aquele que temos por nós mesmos...

- Paolla Milnyczul.


19 de julho de 2018

O amor te encontrará

Você passou por mais uma historinha que tinha tudo para ser a definitiva, mas que por algum motivo não deu certo e agora não quer mais saber de amar, não é?
Hoje você sai por aí dizendo a quem queira ouvir que o seu coração está trancado, que a sua capacidade de amar secou como uma folha no outono e que não há quem te convença a se abrir novamente. Você é um caso perdido para o cupido. Você é uma casca vazia dos sentimentos que um dia te habitaram. Você é só o que sobrou de quem você era antes.
Será mesmo?

Eu sei como é. Sei como é se decepcionar tão profundamente que na procura de culpados, até o pobre do amor parece o vilão perfeito. Sei como é perder as esperanças, a fé e a capacidade.
Mas também sei como é reencontrá-las alguns passos adiante.

Deixa eu te falar uma coisa. Eu, você, e todo o resto, possuímos uma predisposição natural para o amor. Podemos não saber muito como esse lance do coração funciona, mas a nossa capacidade sempre estará lá. Latente, acesa, viva, dentro de todos nós. Esperando uma brecha, uma chance, uma oportunidade de acontecer de novo. E de novo, e de novo, e quantas vezes for preciso.
Não adianta negar. Ela está dentro de você também. E sempre estará.
A chama do amor que queima dentro de você, ninguém pode apagar. Nem você mesmo.

Não adianta amaldiçoar o amor. Ele é imune a decepções momentâneas.

Porque a gente gosta de amar. A gente gosta de filme, de música, de história de amor. A gente gosta da saudade, do abraço, do carinho e dos beijos. A gente gosta das palavras, das declarações e dos emoticons no final da mensagem. A gente gosta de se emocionar, de sentir, de corar. A gente gosta de viver de amor e de morrer por ele também. A gente gosta do amor até quando ele não gosta muito da gente.

Dói ter que levar cada sonho, cada plano e cada expectativa para o saco do esquecimento. Eu sei que dói. Recomeçar não é fácil. Mas ninguém disse que seria.
Só que apesar de difícil, a dor não é eterna. Não há ferida aberta que não se feche. Não há dor que a ventania do tempo não consiga levar para longe. Não há passado que não passe.
E quanto antes você aprender isso, antes abrirá mão dessa dor que agora você cuida, cria, alimenta e se recusa a deixar ir embora.

Você está dando importância demais a só mais uma das dezenas de outras historias de amor que farão parte da sua vida. Você está se prendendo a algo que você não sabia, mas estava desde o início destino a ser passageiro. Você está segurando essa dor no peito como se segurasse o amor que foi embora. Mas desse amor que um dia queimou, não restou mais nada. Só a fumaça. E ela é tóxica. Então é hora de abrir as janelas, a porta, a vida e o coração.

Liberte-se dessa dor. Logo atrás dela vem uma nova fornada de amor, quentinha, recém saída do forno. Vai lá provar, vai! Quem sabe o gosto desse amor não é ainda melhor do que o anterior? Quem sabe esse amor não é ainda maior, ainda mais vivo, ainda mais completo e real?

Não precisa se jogar de cabeça logo se não quiser, não. Mas bota os pézinhos nessa água. O medo irá embora conforme a vontade de mergulhar for chegando. E não se preocupe. Ela vai chegar. Pode até demorar, mas uma hora ela chega.

Confia em mim. Eu sei do que falo.
E sei também quando te digo que por mais que você não esteja procurando pelo amor, ele está sempre procurando por você. E uma hora ele vai te achar. E quando achar, não há volta. É uma viagem só de ida.
Então é melhor já deixar as malas prontas na sala, porque o amor está chegando.
E ele não bate na porta. Ele arrebenta. A porta, a sala, a casa, você.
Ele arrebenta para construir tudo de novo. Numa versão ainda melhor, ainda mais forte, ainda mais sábia, ainda mais completa, ainda mais resistente e ainda mais capaz de amar.

Porque só o amor cura o amor.

Marina Barbieri



27 de junho de 2018

SOU DE ERRAR MUITO

Sou de errar muito, com vontade. Exploro todas as possibilidades à exaustão. Abandono um laço com a consciência limpa, o coração lavado. Melhor do que viver em realidades paralelas, com pessoas paralelas e afetos educadamente interrompidos.
Não me rogo por vencido. Não quero guardar alguma dúvida de que seria diferente e que poderia ser diferente se tivesse feito algo a mais, dito algo a mais.
Levo o amor comigo até o constrangimento, até o vexame, até ver que não tem volta. Uso as palavras necessárias e as desnecessárias, ofereço gestos importantes de agradecimento e gratuitos de raiva. Insisto por todos os lados para descobrir a verdade.
Ando pelas afirmações e, na ausência de saída, queimo as perguntas.
Voo, caminho, rastejo. Saio de cena só quando morre a esperança.
Mas não deixo o medo levar parte de minha vida.
Quem erra pouco também tentou pouco.

Fabrício Carpinejar


8 de junho de 2018

A mentira e a verdade

"Diz uma parábola judaica que certo dia a mentira e a verdade se encontraram.
A mentira disse para a verdade:
- Bom dia, dona Verdade.
E a verdade foi conferir se realmente era um bom dia. Olhou para o alto, não viu nuvens de chuva, vários pássaros cantavam e vendo que realmente era um bom dia, respondeu para a mentira:
- Bom dia, dona mentira.
- Está muito calor hoje, disse a mentira.
E a verdade vendo que a mentira falava a verdade, relaxou.
A mentira então convidou a verdade para se banhar no rio. Despiu-se de suas vestes, pulou na água e disse:
-Venha dona Verdade, a água está uma delícia.
E assim que a verdade sem duvidar da mentira tirou suas vestes e mergulhou, a mentira saiu da água e vestiu-se com as roupas da verdade e foi embora.
A verdade por sua vez recusou-se a vestir-se com as vestes da mentira e por não ter do que se envergonhar, saiu nua a caminhar na rua.
E aos olhos de outras pessoas era mais fácil aceitar a mentira vestida de verdade, do que a verdade nua e crua."


Mestre Jackson Nunes